Está aqui

BTT

Main menu

BTT

Surgiu pela primeira vez nos Estados Unidos da América, com a designação de Mountain Biking. O desporto que também é conhecido como BTT (Bicicleta Todo o Terreno) é uma modalidade de ciclismo, em que o objetivo é fazer percursos, transpondo irregularidades e obstáculos. A BTT é praticada em estradas e trilhos de terra, trilhos em montanhas, dentro de parques e até na cidade.

Envolve resistência, destreza e auto-suficiência.

A origem da BTT traz consigo contradições. Os franceses reclamam a sua autoria, e reportam a criação da modalidade para 1964, em Alta Saboya; mas os norte-americanos também se assumem como os responsáveis pelo surgimento da BTT, em 1974: nessa altura, Gary Fisher, Tom Ritchey, Joe Breeze, Charlie Kelly e Charlie Cuningham, do Condado de Marin Country, começaram a realizar modificações profundas em bicicletas de praia.

Com as máquinas alteradas, estes homens participaram na primeira Prova de Descida “Repack” (Down-hill) a 29 de outubro de 1976, organizada por Charles Kelly.

Nos anos 80, a primeira bicicleta “todo-o-terreno” a ser produzida em série foi a “Specialized”, modelo “Stumpjumper”, desenhada por Tim Neenam, contratado pelo dono da marca, Mike Sinyard. A criação desta máquina resultou num “boom” de vendas destas bicicletas.

Em 1983, através do Sr. Glenn Odell, foi constituída a National OFF-Road Bicycle Association (NORBA), que não é mais que a Federação de BTT dos Estados Unidos. É sob a alçada da NORBA que se realizam todas as provas de BTT no país.

O primeiro Campeonato do Mundo da modalidade realizou-se em 1987, em dois continentes distintos devido à falta de entendimento entre as duas organizações: um em Mammoth, Califórnia, nos Estados Unidos; e outro em Villard-des-Lands, nos Alpes Franceses.

Em 1989, a União Ciclista Internacional (UCI) tomou o controlo do BTT a nível mundial, permitindo um acordo internacional no que respeita a regulamentos e campeonatos mundiais. O primeiro campeonato mundial unificado aconteceu assim em Purgatory, no Colorado, nos Estados Unidos da América.

O Cross-Country, o Down-Hill e o Dual integram o conjunto de provas realizadas na Taça do Mundo de BTT e no Campeonato Mundial, e acontecem em vários países. Em 1996, o Comité Olímpico Internacional incluiu a especialidade de Cross-Country como modalidade de apresentação nos Jogos Olímpicos de Atlanta. Devido ao crescimento e à importância que adquiriu como fenómeno desportivo em muitos países, tornou-se modalidade efetiva nos Jogos de Sidney, no ano 2000.

Em Portugal, o Cross-Country surgiu em 1987, como elemento de preparação dos ciclistas de estrada profissionais. Entre 1988 e 1989, foram realizadas as primeiras provas de BTT nessa variante, que aconteceram em Ovar- S. João da Madeira e em Oeiras, no Vale do Jamor.

A primeira Comissão Técnica de BTT foi formada pela Federação Portuguesa de Ciclismo, em 1990, e foi composta por Paulo Cavaleiro e também José Projecto, especialista de motocrosse. Nesse ano, e antes da formação da comissão, a Federação Portuguesa de Ciclismo realizou a sua primeira prova de Cross-Country, no Parque Florestal de Monsanto, em Lisboa. Na prova, participaram ciclistas do Minho ao Algarve, e o vencedor foi Orlando Rodrigues.

O Campeonato Nacional de BTT, na especialidade de Cross-Country, realizou-se também nos anos 90, época em que o Regulamento Geral de BTT sofreu alterações, devido às suas características embrionárias. Os Campeonatos Nacionais de Down-hill e os Raids iniciaram-se em 1994, e nessa altura, pela primeira vez, realizou-se a Taça de Portugal.

A primeira prova internacional organizada em Portugal foi a Taça do Mundo da Grundig, na especialidade de Cross-Country, que aconteceu a 13 e 14 de abril de 1996, no Complexo Desportivo do Jamor, em Oeiras. Em 1999, realizou-se a Taça do Mundo de Cross-Country em Silves, e o Campeonato Europeu de Cross-Country em Porto de Mós.

A “Bicicleta Todo-Terreno” pode ser utilizada com vários objetivos: tem uma vertente utilitária, uma vertente direcionada para o lazer e condição física, e ainda uma vertente competitiva, que está em grande crescimento em Portugal: os resultados obtidos pelos atletas refletem a trajetória da modalidade a nível nacional. É a vertente mais exigente, em todas as suas especialidades, já que envolve um treino metódico e científico.

No Desporto Escolar, e tendo como príncipio uma formação de excelência, as atividades competitivas desenvolvidas são as de BTT-XCO (Cross-Country Olimpic). É a especialidade que se caracteriza pela exigência em termos técnicos e ao nível da resistência, sendo, ainda assim, apropriada para os jovens em idade escolar. Realizam-se provas em circuito, com um percurso de 2 a 5 Km por volta, conforme o escalão e género dos alunos, proporcionando diversão a todos os praticantes.

 

Referências bibliográficas:

Alpiarça, Mário – A Bicicleta Todo-o-Terreno? - Livros Horizonte, 2002.

Alpiarça, Mário – Do ABC da BTT até onde puderes… - Editoria Visão e Contextos, 2013

Regulamento - em atualização

Documentos de Trabalho

Atividade de BTT por Road Book - Álvaro Pereira

Atividade Passeio BTT e Caminhada 2016 - Luís Saldanha

BTT - Observação de Fauna e Flora - João Godinho

Escola da Bicicleta - Pedro Sá

Gincana Escolar - Pedro Godinho

O BTT na Escola, Atividade Interna de BTT - Sandra Ramalho

O BTT no DE - Projeto de Implementação na CLDE da Guarda - Carlos Sacadura

Passeio de BTT - André Queirós

Passeio de BTT no nosso quintal - Sérgio Silva

Passeio Velocipédico - BTT - Ana Paula Calvo

Pedala Bike - Ricardo Fernandes

Planificação e execução da atividade Campeonato Regional de BTT - DE Alentejo - Nuno Soares, Pedro Silva, Pedro Chaves e Sérgio Magalhães

Prevenção Rodoviária - Catarina Freire Frade, Marina Esteves e Miguel Ribeiro

Projeto PedalBus - Helena Campaniço

Prova de Estratégia em BTT - António Sereno

Prova de Gincana de Bicicleta - Jorge Pina e Patrícia Rodrigues

Prova Gincana de BTT - Rui Gomes

Reparação de Bicicletas, Treino de Técnica e Passeio de BTT - Paulo Pires

Semana da Bicicleta - João Padilha