Está aqui

Basebol e Softebol

Main menu

Basebol e Softebol

Nasceu em 1846, nos Estados Unidos da América, e é lá que atrai mais espectadores aos estádios. O basebol é praticado por duas equipas de nove jogadores, que alternadamente ocupam as posições de ataque e defesa, com o objetivo de pontuar batendo com um bastão numa bola lançada, correndo depois pelas quatro bases do campo.

A origem e a evolução do Basebol e do Softbol em Portugal estão intrinsecamente ligadas ao ensino público, em geral, e ao Desporto Escolar, em particular. Ao contrário do que normalmente acontece com a generalidade das restantes modalidades do nosso panorama desportivo, grande parte da força do basebol, que impulsionou a própria organização desportiva desta modalidade em Portugal, surgiu de iniciativas desportivas escolares, na segunda metade da década de 1980. No ano letivo de 1990/1991 o Basebol e o Softbol aparecem pela primeira vez na estrutura de Desporto Escolar. Em novembro de 1991 os relatos dos projetos realizados com os primeiros grupos-equipa do Seixal e de Coimbra foram apresentados em congresso nacional de Educação Física, realizado em Tróia. Todo este movimento teve início no concelho do Seixal, particularmente na Escola Secundária Alfredo dos Reis Teixeira que, em 1989, viu surgir a primeira equipa de Basebol e Softbol, conhecida como “Pioneiros do Seixal”: primeiro, como projeto de escola e, mais tarde, como GDE, com um papel dinamizador determinante para a promoção e implantação da modalidade, através da organização de algumas iniciativas de grande visibilidade e repercussão pública, como foi o caso do “Auto de Basebol nas Ruas de Lisboa”, a 7 de janeiro de 1993. Em junho desse ano, no Estádio Nacional, tinham lugar as primeiras competições de Basebol e de Softbol, de formato aberto e alargado a todas as equipas à data existentes, evento testemunhado por entidades convidadas de vários quadrantes. Este evento foi o verdadeiro catalisador desportivo do Basebol em Portugal e nele as escolas marcaram a sua imprescindível presença.

Entretanto, pouco a pouco e, por todo o país, foram surgindo polos escolares de desenvolvimento onde o Softbol, pelas características dos nossos espaços escolares, se tornou na modalidade rainha. De 1994 a 1997, por iniciativa da primeira comissão instaladora da Federação Portuguesa de Basebol e Softbol, realizaram-se 3 encontros competitivos de carácter anual que reuniram os GDEs existentes – Taças Nacionais de Escolas de Softbol – que constituíam verdadeiras festas desportivas para professores e alunos envolvidos. Seixal, Coimbra, Amares, Lisboa, Barreiro, Vila Nova de Sto. André, Almada e Quinta do Conde foram vendo aparecer os seus GE escolares da modalidade. Os jogos e competições foram assumindo as características e os formatos mais adequados às circunstâncias, independentemente dos escalões, sexos e localização geográfica das escolas. Desse período importa salientar a participação do Basebol/Softbol nas Finais Nacionais de Desporto Escolar, realizadas no Estádio Universitário de Lisboa, de 6 a 8 de junho de 1997, que juntou três equipas. A integração do Basebol e Softbol no Programa Nacional de Educação Física (PNEF) do Ministério da Educação, em 2001, veio enquadrar o ensino-aprendizagem e dar um importante contributo à generalização da prática destas modalidades a todos os nossos jovens. A formação contínua de professores no domínio da didática específica da EF, nestes desportos, tem permitido atualizar conhecimento e competências profissionais da maior utilidade na intervenção com os alunos e com repercussão no crescimento dos GDEs.

Neste percurso evolutivo, a Península de Setúbal (PS) aparece destacada, nomeadamente pelo seu importante historial, mas também pelo maior número de GEs que tem vindo a envolver ao longo destes 20 anos de modalidade. Com quadros competitivos distritais regulares desde 1996/97, sofrendo “altos e baixos”, a modalidade, em termos de Desporto Escolar, foi-se desenvolvendo e consolidando nesta região. Com 8 equipas inscritas no QC distrital do presente ano de 2010/2011 – a 4.ª edição da Liga Fertagus de Softbol – este distrito tem sido igualmente pioneiro na organização do Encontro Nacional de Softbol, de periodicidade anual, evento que tem vindo a ser sistematicamente alargado territorialmente, e aumentado, quer ao nível do número de escolas participantes, quer ao nível desportivo dos alunos. Fazendo jus à sua própria génese, o número de praticantes de Basebol/Softebol de Desporto Escolar continua a crescer, ano após ano, excedendo sempre e por larga margem, o de praticantes federados.

Regulamento